Celebridade. De Patrocínio, há diversas. Especificamente no futebol, há algumas. A história patrocinense documenta a vida dessas celebridades. Uma se destacou no século XX. Já foi intitulado o maior nome do futebol de Patrocínio. É Sebastião Ferreira Amaral (há uma rua no bairro Olímpio Nunes/Matinha que o homenageia). Mas, as gerações dos anos 40 a 80 o conhecia, o chamava carinhosamente, por outro nome: Véio do Didino. Um pouco sobre ele mostra o berço mágico da bola na cidade. Como ela (a bola) foi tratada com maestria.
QUEM FOI – Véio do Didino nasceu no Carmo do Paranaíba em 07 de abril de 1922 e faleceu em Patrocínio no dia 19 de outubro de 1986, aos 64 anos de idade. Viveu em Patrocínio desde 1946. Comerciante, católico fervoroso e desportista nato. Casado com a Sra. Lazinha Campos Amaral, com quem teve três filhos. Sempre residiu à Rua Artur Botelho. Torcedor do Botafogo (RJ) e América (BH).
O AUGE – Pelas suas mãos existiu uma academia de futebol chamada Associação Atlética Flamengo. Ou o popularíssimo Flamengo do Véio do Didino. Isso no começo dos anos 50. No clube era o diretor, treinador, supervisor, roupeiro, empresário, atleta e até “psicólogo”. Motivação, jogar bonito, liderança, formavam o seu perfil. Adversários como a URT, Paranaíba (Carmo do Paranaíba), Maracanã (Coromandel), Clube do Cem (Monte Carmelo), Araguari A. C., Araxá e Santana (Paracatu) ficavam desconfortados ao enfrentar a magia do Flamengo. Véio também foi chamado de o “Telê Santana” de Patrocínio.
FLAMENGO: PRIMEIRA GERAÇÃO – A equipe rubro-negra teve duas gerações de verdadeiros craques. A maioria encantou Minas e, até o Brasil. Na década de 50, o grande destaque foi Múcio, muito provavelmente o maior craque da cidade até hoje. Residia na Rua Afonso Pena, em frente ao Ginásio Dom Lustosa, onde fora aluno dos padre holandeses.
GENTE TREINADA PELO VÉIO – Algumas referências para recordar.
Múcio (meio campo): No Flamengo, camisa 9. Porém, como pentacampeão no Atlético Mineiro, Palmeiras, Santa Cruz (PE) e Seleção Mineira, vestiu a “5”, no meio de campo. À época, nas competições nacionais só existia o campeonato de seleções estaduais. E Múcio se deu bem nessa vitrine brasileira.
Pedrinho (lateral): Seleção Mineira, Atlético Mineiro e integrante do então vice-campeão de Minas, Democrata de Sete Lagoas.
Rondes (armador): o fino da bola (1950-1955), considerado pelo então radialista Sérgio Anibal, o “Dirceu Lopes” de Patrocínio.
Blair (goleiro): Seleção Mineira do Interior, na qual Telê Santana foi o ponta direita. Posteriormente, Telê se transferiu para o Fluminense (RJ). Isso no princípio dos anos 50.
Camilo (zagueiro): o melhor camisa 3 do Triângulo Mineiro, naquele tempo. Tanto é que o Araguari o contratou e se tornou campeão do Triângulo.
Carmo (zagueiro): o maior cabeceador do Alto Paranaíba. Não saiu do Município. Vestiu também a camisa do Operário E. C. local.
Calau (zagueiro): Vigoroso, chute forte, atuou no Uberaba Sport, clubes de Goiás e até foi encaminhado ao Fluminense (RJ), mas por influência de sua mãe, desistiu de se mudar para o Rio. Calau é o zagueiro central da Seleção genuinamente patrocinense do século XX.
Peroba (meio de campo): Considerado o “Nelinho” de Patrocínio, devido ao seu potente chute. Calau e Peroba também jogaram (parte) no Flamengo segunda geração.
PRIMEIRO GOL DO MINEIRÃO E COM PELÉ – No começo dos anos 60, a equipe do Flamengo segunda geração, contava com um jovem craque chamado Bougleux (ou Buglê). Não era de Patrocínio, porém sempre estava com o seu tio Hélio Bougleux (Rua Governador Valadares com Rua Tobias Machado). Buglê atuou no Atlético Mineiro, Seleção Mineira (autor do gol de inauguração do Mineirão em 05/09/1965), fantástico Santos do Pelé e no campeoníssimo Vasco da Gama (RJ). De 1965 a 1974.

CREPÚSCULO DO VÉIO – Em 1º/05/1962, comandou a antológica Seleção Patrocinense que inaugurou o Estádio Júlio Aguiar: Dedão, Gato, Calau, Macalé e Manoelico; Rubinho, Peroba e Romeuzinho; Totonho, Dizinho e Ratinho (Nael).
DESTINO DA SEGUNDA GERAÇÃO – Dedão (América de São José do Rio Preto e equipes de Goiás), Gato (campeão goiano pelo CRAC de Catalão), Romeuzinho (Vila Nova de Nova Lima), Totonho (Corinthians de Presidente Prudente e Uberaba) e os demais jogaram apenas nas equipes de Patrocínio.
A BOLA ERA A SUA PAIXÃO – Com o desaparecimento do Flamengo em 1964, Véio tratou logo de fundar, criar e cuidar de uma equipe para veteranos. Surgiu assim o Raposão, um time “domingueiro” para os aficionados do futebol manter a amizade.
FORA DE CAMPO – Em Patrocínio, sua terra por opção, foi comerciante (proprietário da Loja Patrolux – Rua Presidente Vargas), participou de novos movimentos da Igreja Católica (cursilhista e liderança comunitária).
MANIAS SOCIAIS – Jamais deixou de acompanhar um funeral na cidade, seja de pessoa rica ou pobre, da raça negra ou branca. E aos domingos, também gostava de visitar os presos na cadeia municipal, quando os apresentava conselhos, frutas e outras ações de conforto.
MARCANTE – Honestidade, amizade, probidade, fraternidade e liderança positiva traçaram a sua personalidade. O Flamengo, sob a sua direção, era como a bela música. Orquestrado, com ritmo, raça e arte. Até hoje, esse Flamengo é a maior/melhor equipe de futebol amador que surgiu em Patrocínio.
HOMENAGENS CAMINHANDO AO ESQUECIMENTO – O nome “Véio do Didino” já foi de uma medalha oficial da Câmara Municipal oferecida aos melhores do ano no futebol amador (projeto do ex-vereador Deley Despachante). E parece, que até no pequeno estádio da Av. Padre Mathias (próximo à Difusora), que levava o seu nome, nada existe mais. Dia 24 de julho de 2009, o prefeito Lucas Siqueira e o secretário Marcos Remis entregaram aos desportistas a reforma do Estádio Municipal Véio do Didino. O ex-vereador e radialista Roberto Taylor apresentou, nessa solenidade, quem foi Véio do Didino para o futebol de Patrocínio.
Essa crônica foi apresentada na Rede Hoje, entretanto, algumas pessoas solicitaram que ela fosse transcrita. Inclusive, pelo ex-craque Rondes Machado, residente no Rio de Janeiro.
(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)
Árvore. É o que falta nas belas ruas, praças e avenidas da cidade. A nação patrocinense está acordando para a relevância da paisagem verde. Tão destruída nos últimos cinquenta anos. Pequeno diálogo suscita grande esperança. Torna-se mais uma semente de mudança no pensamento patrocinense. Dia 24 de abril, o melhor cronista rangeliano, Milton Magalhães, e a vereadora Eliane Nunes trocaram mensagens no Facebook sobre o projeto “Jardins de Chuva”. A avenida José Maria Alkmim (com dois “m”), que tem fascinante história, é referência nesse projeto urbanístico.
 
O QUE É – Segundo a vereadora em sua página no Facebook, “jardins de chuva” são pontos rebaixados que captam, “limoam” e infiltram a água da chuva proveniente de telhados e vias, visando a paisagem urbana. Além, de mitigar alagamentos e problemas provocados pelas chuvas.
 
VEM AÍ REVITALIZAÇÃO EXEMPLAR – O escritor Milton apresentou novamente antiga sugestão (de sua autoria), que é a construção de monumento com sumário da história da Av. José Maria Alkmim, exatamente no triângulo onde termina a Rua Artur Botelho (próximo ao Centro de Saúde). Isso para compensar um pouco o corte indevido de árvores ali existentes, em anos anteriores. Como o verde jamais fora prioridade, nada aconteceu.
 
ALVISSAREIRA RESPOSTA DA VEREADORA – Eliane assegurou que até o final de abril seria apresentada indicação para a sonhada revitalização da avenida, incluindo a escultura de Alkmim e o registro histórico da via, que até nos anos 50 chamava-se Rua São João. A implantação dos “jardins de chuva” para a reforma e adequação das avenidas, se concretizada, será primordial, concluiu Eliane.
 
BUCÓLICA VIA – Terra pura. Chácara da Dona Mulata (hoje, a 50 metros do Colégio). Pasto do Umbrolino (filho de D. Mulata), beirando a via. Ribeirãozinho de água limpa e peixinhos (a dez metros de distância). Colégio Professor Olímpio em construção. A novel Praça de Esportes com uma piscina, uma quadra para voley e outra para basquete e futebol de salão. A primeira rodoviária (hoje, Centro de Especialidades), obra do prefeito Amir Amaral, com as suas jardineiras (ônibus), dando certo conforto aos viajantes e familiares. Assim era a Rua São João nos anos 50. Até que...
 
ALKMIM INAUGURA A AV. ALKMIM – No dia 7 de abril de 1958, comemoração dos 116 anos da emancipação do Município, o prefeito Amir Amaral inaugura a nova avenida, com estrondosa festa. Presentes o deputado federal homenageado José Maria Alkmim e o deputado estadual Lourival Brasil (origem: Estrela do Sul). Ambos do PSD de JK. Tanto é que nessa ocasião, Alkmim era o Ministro da Fazenda da gestão Kubitschek (1º/2/1956 a 21/6/1958). Por isso, a avenida originalmente foi denominada Av. Ministro José Maria Alkmim.
 
PRESENÇAS INESQUECÍVEIS – Além de uma multidão, foguetório e a Banda de Música Maestro José Carlos, três escolas e o Tiro de Guerra TG-145, todos em desfile, se postaram após, junto ao obelisco com placa comemorativa, em frente onde é hoje a entrada do PTC (anos depois, a ignorância destruiu o obelisco e sumiu com a placa). Ali aconteceram discursos indeléveis.
 
AS ESCOLAS – O Ginásio Dom Lustosa (só meninos), sob o comando dos padres holandeses, vestiu azul e branco (uniforme oficial). O Colégio Prof. Olímpio dos Santos, a primeira escola de nível secundário gratuita, vestiu verde e branco. E a Escola Normal N. S. do Patrocínio (só meninas) vestiu saia plissada azul escuro e camisa branca. Todas as escolas com fanfarra. Um show para a época.
 
FASCÍNIO DE UMA AVENIDA – Primeira praça de esportes da cidade, resultado de folclórica transação. JK liberou recursos para a sua construção em troca de uma lata de jabuticabas! Começo do Frigorífico Dourados, da família Elias, o líder em arrecadação de ICMS (antes, só ICM) do Município, por vários anos. Sede própria do Colégio Prof. Olímpio dos Santos (antes, funcionou apenas à noite, na Escola Honorato Borges), sob a direção do antológico Abdias Alves Nunes. Local de um dos primeiros postos de saúde, dirigido por muito tempo pelo médico José Garcia Brandão. Berço do Grupo Expresso União. Local da modesta casa de Zé Pipoqueiro (tinha deficiência física nas pernas). Personagem dos anos 50 e parte dos 60, que vendia pipocas nas festas da cidade e, sobretudo, à porta do Cine Rosário. Sempre acompanhado pelos seus amigos “Biscoito” e “Budirda”. Formaram os Trapalhões patrocinenses, gerando sonoras gargalhadas daquela geração, ainda ouvidas no pensamento de quem os viveu. Principal via de acesso à área hospitalar patrocinense.
 
SÍNTESE DE PRESTÍGIO INIGUALÁVEL – O maior presidente da República, JK, tem a ver com a avenida (Patrocínio Tênis Clube). O mais folclórico político brasileiro, Alkmim, pisou em seu chão e viabilizou recursos para a sua implantação. A sua construção foi trabalho do imortal prefeito nº 1 de Patrocínio, Amir Amaral.
 
MERECEDORA DE CARINHO, OBRA E ÁRVORE – Aliando a importância histórica da avenida com a atual fragilidade urbana pelo verde em Patrocínio, é louvável a atitude da vereadora Eliane. Se acontecer, ganhará a cidade, a redução do déficit de árvores ocorrerá e parte da história estará preservada.
 
PRA NÃO ESQUECER – Patrocínio perde para 225 cidades mineira no quesito árvores. Entre as grandes cidades do Triângulo, Patrocínio se posiciona em último lugar. À frente estão Uberlândia, Araguari, Uberaba, Ituiutaba, Araxá e Patos de Minas. Para não falar em Monte Carmelo e Coromandel também. Todas, todas mesmo, têm mais árvores, mais arborização nas vias públicas do que Patrocínio. Palavra do IBGE.
 
DAÍ... – Palmas para a vereadora. Palmas para a equipe da Secretaria do Meio Ambiente (Alan Machado e companheiros). Estamos distantes do ideal. Mas, o começo pró-verde acontece. Sigamos com essa encantadora ação. Necessária para Patrocínio ser mais bonita e, principalmente, mais saudável.
 
Foi uma avenida que passou em minha vida.
E meu coração se deixou levar.
(plágio da música de Paulinho da Viola de 1970)
 
 (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)
Singularidade. A Academia Patrocinense de Letras–APL completou 39 anos, no dia do aniversário do Município. É a corte suprema das letras escritas por mãos nascidas na Santa Terrinha ou por mãos de quem ama Patrocínio, acima da vaidade, de vontades políticas e econômica. Seu primórdio, os seus imortais, a sua missão, fazem parte da história de Patrocínio.
 
O COMEÇO – Sob o comando do médico-poeta Michel Wadhy, a fundação se deu em 7 de abril de 1982. Ele e mais quatorze ilustres cidadãos se tornaram sócios/fundadores. Médico Jesus Santos (falecido), Juiz Edgard de Andrade Rocha (falecido), médico José Garcia Brandão (falecido), Sebastião Elói dos Santos (falecido), escritor Paulo Acácio Martins (residia em BH, falecido), professor Hugo Machado da Silveira (falecido), escritor e cineasta Alberto Araújo (residente em Goiânia) e escritor Júlio César Resende (residente em Patos de Minas). E ainda os saudosos advogado Gerson de Oliveira, radialista Joaquim Assis Filho, poeta Mauro Chaves, poeta Aldo Botelho, promotor Dimas de Rezende Monteiro e médico José Figueiredo.
 
MAIS IMORTAIS – Posteriormente, em 1990, o renomado professor da UFMG Júlio Barbosa, poeta Ivan Gomes da Silveira (residente em BH) e este escritor-economista (por indicação de Sebastião Elói e Gerson de Oliveira) receberam a honraria de se tornarem acadêmicos. Mais tarde, foi a vez das professoras Geralda Pereira (falecida), Olga Barbosa (falecida) e Teodora de Castro Ribeiro (falecida). Além da escritora e publicitária Jussara Queiroz (residente em BH) e do promotor Renato Cardoso (falecido).
 
COMO FUNCIONA – A APL é regida por estatuto e regimento interno. A sua sede própria é no Edifício Ouro Verde à Av. Rui Barbosa. A finalidade básica é aprimorar as vocações literárias de Patrocínio. A estrutura é dividida em cadeiras. Cada cadeira tem o seu patrono (celebridade importante da história patrocinense, sobretudo nas artes e na escrita). As cadeiras foram e são ocupadas por sócios fundadores e sócios efetivos.
 
COMO É A ADMISSÃO – Um novo membro apenas será admitido quando indicado por dois sócios. Essa indicação será ratificada, após eleição entre todos os membros efetivos. Depois, o nome será submetido ao Conselho Superior, que, por voto secreto, decidirá. Isso após a avaliação dos méritos culturais, das obras e do currículo do candidato. O Conselho é formado pela diretoria e cinco sócios efetivos.
 
HOJE, OS ACADÊMICOS FUNDADORES – Com 39 anos de existência, dentre os primeiros 15 acadêmicos, sobrevivem apenas Alberto Araújo (cadeira 7) e Júlio César Resende (cadeira 8).
 
OS PRIMEIROS ESCOLHIDOS PÓS-FUNDAÇÃO – Ivan Gomes da Silveira (cadeira 6) e Eustáquio da Abadia Amaral (cadeira 12), eleitos em 1990 e empossados na sessão solene realizada naquela ocasião comemorativa no Ginásio Dom Lustosa. Desses dois acadêmicos da primeira geração da academia residem em Belo Horizonte. E Júlio Barbosa é falecido.
 
COMPLEMENTO DA LISTA DOS VETERANOS – Eleitos em 1994, Geralda Pereira (cadeira 24), Jussara de Queiroz Mesquita (cadeira 19), Jorge Lasmar (cadeira 14) e Teodora de Castro Ribeiro (cadeira 17). Desses quatro acadêmicos, Jussara sobrevive.
 
OS ACADÊMICOS/2004 – Maria Helena de Resende Malagoli, ocupante da cadeira nº 1, atual presidente, escritora de peças teatrais e professora de Literatura Inglesa e Norte-americana. Luiz Antônio Costa (cadeira nº 3) escritor, editor de revista, jornal, rádio e televisão. Cecílio de Souza (cadeira nº 4), escritor e cronista do Jornal de Patrocínio; advogado José Humberto Machado (cadeira nº 11, falecido); Paulo Sérgio Martins (falecido), da cadeira 13, ex-administrador e ex-servidor da Secretaria da Fazenda; Milton Ubaldo Magalhães, cadeira 15, renomado escritor/colunista da Gazeta de Patrocínio e Patrocinioonline.com.br; Hedmar de Oliveira Ferreira, cadeira nº 16, doutora em História e escritora; Marisa de Andrade Rocha, cadeira 18, formada em Letras, pós-graduada e especialização em Linguística e professora de Língua Portuguesa; Antônio Dias Caldeira, ocupante da cadeira 20, cronista, redator e articulista de jornal; Maria Elizabete Moisés, cadeira 21, economista; Paulo de Lima, cadeira 22, teólogo, formado em Filosofia Pura, professor de Latim e Italiano, escritor de dois livros; Vanda Maria Santos Lobato, cadeira 23, poetisa. Padre Marcus Vinicius Maciel, cadeira 25, graduado em Filosofia e Teologia, reitor e pároco da Igreja dos Sagrados Corações de Belo Horizonte (Igreja Padre Eustáquio).
 
ACADÊMICOS DA NOVA GERAÇÃO – Entre os 25 ocupantes de cadeira na Academia, há os jornalistas José Elói dos Santos Neto (Maisumonline) e Joaquim Correia Machado (Jornal de Patrocínio).
 
DEIXARAM SAUDADE – Assim, passaram pela APL ícones da inteligência municipal. Médico e membro da Academia Mineira de Medicina Jesus Santos. Médico José Garcia Brandão. Sociólogo Júlio Barbosa (professor da UFMG). Sebastião Elói dos Santos, o jornalista patrocinense do século XX. Joaquim de Assis Filho (Rádio Difusora), excelente comunicador dos anos 80. Médico José Figueiredo. Promotor Público Renato Cardoso, grande responsável pela memória da Academia. Poeta Aldo Botelho. Escritor e professor Hugo Machado da Silveira. Poeta Mauro Chaves. Promotor Público Dimas Rezende Monteiro. Pintor clássico José Pereira Santiago. Professora Olga Barbosa. Advogado e pesquisador Gerson de Oliveira. E o médico Michel Wadhy. Todos falecidos. Todos imortais. Todos são flores no jardim da eternidade da cidade. Para sempre.
 
 (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)



Oswaldo Pieruccetti . Foto: Cedoc|ALMG

hsn

Patrocínio, 179 anos como Município;

comemorados dia 7 de abril.

Parabéns!

 

E 147 anos como cidade;

comemorados dia 12 de janeiro.

 

No teu passado, amada Patrocínio, tens documentado:

– Tu és o 32º município mais antigo de Minas;

– E um dos três municípios mais antigos do Triângulo; por isso possuís história;

– Já pertenceste a São Paulo, Goiás, Paracatu e Araxá;

– O diamante mais bonito do Brasil foi encontrado em teu chão, quando Estalagem fazia parte de teu torrão;

– Celebridades como o cientista Saint Hilaire, o rei Ambrósio do Quilombo, o herói ou bandido Índio Afonso e o escritor Bernardo Guimarães viveram sob o teu céu anil;

– Santidades que conheceste,que conviveste, Padre Eustáquio e (bispo) Dom Lustosa, moram exatamente em teu coração;

– Tu és, Patrocínio, terra que abrigaste a Invasão Holandesa, que promoveu evolução cultural, educaciohnal e da religiosidade de teus filhos.

 

O teu presente, a tua atualidade, és um primor.

– Há muito tempo, és o maior produtor de café do Brasil;

– Também és o segundo maior produtor de leite desse mundo das Gerais;

– Tens a maior reserva de titânio do planeta;

– E a melhor água mineral magnesiana brasileira;

– Terra do glorioso Clube Atlético Patrocinense, o querido CAP, registrado em 1954;

– Terra de grandes empresários nacionais;

– Terra de deputados e senadores desde o Império Brasileiro;

– Cidade de gente fina, gente formosa, gente bela, independente da idade.

 

Tu és Patrocínio, um paraíso. Uma dádiva. Um sonho. O berço de venturosas pessoas, intelectuais ou não.

– Parabéns, terra adorada. Tu és demais... para um apaixonado cheio de emoção.

– E para uma multidão patrocinense por ti enamorada.

 

(Reprodução da crônica, musicada e em vídeo, circulando na internet, em comemoração a 7 de abril.)

 

PALAVRA FINAL EM TRÊS LANCES

1 – PRECIOSIDADE DE SERRA NEGRA – O escritor patrocinense Fabiano Salim, residente em Belo Horizonte, referindo-se a uma crônica, de nossa autoria, na Rádio Capital, sobre o Hotel de Serra Negra, revelou primorosa informação. Confirmou o que esta coluna disse há dez anos.

 

2 – A REVELAÇÃO DE FABIANO SALIM – “Conheci um médico e pesquisador, em Brasília, cujos trabalhos eram voltados para águas. Ele me disse que a água de Serra Negra tinha uma propriedade, que no Brasil, existiam em apenas duas cidades. Em Patrocínio e em um município gaúcho, provavelmente Sarandi.”

 

3 – A COMPOSIÇÃO DA SANTA ÁGUA – Continua Salim: “Essa propriedade reside no fato de ter um segundo tipo de magnésio, que, de acordo com o médico-pesquisador, seria importante na prevenção de infarto. Ele ainda me sugeriu um trabalho de marketing.” À época, Fabiano Salim, apresentou cópia do estudo desse médico-pesquisador aos proprietários do hotel. Mas, provavelmente, devido à fase de transição, não houve evolução na questão.

(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)