Isso não é medicina. Uma das páginas mais tristes da história nacional. Não tem como esse pessoal passar impune”, declarou o senador e vice-presidente da CPI do Genocídio




O senador Randolfe Rodrigues durante o depoimento de ex-paciente da Pravent Senior.
Foto: reprodução TV Senado | Forum

Por Lucas Vasques da Revista Forum

O senador Raldolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI do Genocídio, se emocionou e acabou chorando durante o depoimento, nesta quinta-feira (7), de Tadeu Frederico Andrade, ex-paciente da Prevent Senior.

O depoimento é devastador. Isso não é medicina. Uma das páginas mais tristes da história nacional. Não tem como esse pessoal passar impune”, declarou Randolfe.

A emoção do vice-presidente da comissão foi observada pelo senador Otto Alencar (PSD-BA). “Eu vi que Vossa Excelência estava com os olhos lacrimejando de emoção. Emocionou a todos nós. Não dá para não se emocionar com alguém que se recuperou do corredor da morte”.

Entre outras informações, Tadeu Andrade afirmou que a operadora enviou “Kit Covid” a ele por motoboy, depois de uma teleconsulta. Uma médica, identificada como Daniela de Aguiar, modificou o prontuário do paciente.

Aos poucos, a mentira e o ódio serão reparados”, diz Lula sobre retratação de Regina Duarte

Ele revelou, ainda, que estava com Covid-19 quando fez um teste PCR-RT e pneumonia bacteriana já avançada.

Fui imediatamente internado e intubado. Este período durou cerca de 30 dias e uma de minhas filhas recebeu telefonema da doutora Daniela de Aguiar Moreira da Silva informando, comunicando que eu passaria a ter cuidados paliativos”, confirmou.

Bomba de morfina

Seria ministrado em mim uma bomba de morfina e todos os equipamentos de sobrevivência na UTI seriam desligados, inclusive se tivesse parada cardíaca tinha a recomendação de não fazer reanimação. Felizmente minha filha não concordou”, acrescentou.

Ainda segundo o paciente, a médica acrescentou no prontuário dele “o início dos cuidados paliativos sem autorização da família e recomenda que não se faça mais hemodiálise, não ministrassem antibióticos e nem fossem feitas manobras de ressuscitação e que ministrasse a bomba de morfina”.

Fonte: Revista Fórum